DERRUBANDO BARREIRAS E ENEGRECENDO AS UNIVERSIDADES: caminhos para o ingresso de jovens negras no ensino superior

Ilustração por: Joyce Pereira

As recentes notícias sobre os cortes nas Universidades públicas tem sido bastante desanimadoras. As e os estudantes que já ocupam uma vaga na universidade temem a sua permanência e quem ainda busca o ingresso fica com a sensação de incerteza, entretanto, não podemos deixar que esse sentimento ocupe um lugar tão grande a ponto de  se tornar uma barreira para o ingresso no ensino superior.

Atualmente o percentual de mulheres no ensino superior superou a quantidade de homens, porém, ao fazer o delinear do fator racial os dados mostram que pessoas negras estão em situação de grande diferença em relação as pessoas brancas. De acordo com o IBGE entre as pessoas de 25 a 44 anos, 15,6% de homens e 21,5% de mulheres completaram a graduação, ao fazer o recorte de raça a situação muda, 23,5% de mulheres brancas concluem o ensino superior enquanto apenas 10% de mulheres pretas se graduam e apenas 7% de homens pretos e pardos. (Carta Capital, 2018)

Mas do que nunca, é o momento de lutar pela preservação do ensino público de qualidade. Um exemplo disso foram manifestações dos dias 15 e 30 de Maio, as primeiras manifestações após os cortes anunciados pelo Ministro da Educação do atual governo onde estudantes, profissionais e defensores da educação foram às ruas para reivindicar as medidas adotadas que ferem a garantia dos direitos à educação pública.

Existem diversas formas de ingresso no ensino superior, o ENEM – Exame Nacional do Ensino Médio é a principal forma de entrada em Universidades Públicas, a nota do ENEM serve como critério para o ingresso na maior parte das universidades do país. Para ingressar na Universidade pública através do ENEM é necessário realizar a inscrição no SISU – Sistema de Seleção Unificada. O SISU abre as inscrições duas vezes ao ano igualmente ao PROUNI – Programa Universidade para Todos. O PROUNI oferece bolsas de 50% e integrais em universidades e faculdades particulares.

A preparação para o ENEM é muito importante para sua aprovação por isso é necessária uma organização de estudos que facilite a realização da prova e mais do que isso, é importante não desistir, se você não conseguir na primeira tentativa, continue se preparando. Sabemos que nem todos possuímos condições socioeconômicas de ingressar em um curso preparatório ou de se dedicar somente aos estudos, dessa forma é interessante trabalhar estratégias que ajudem nesse processo. Por isso separei uma lista de cursinhos pré-vestibulares gratuitos que podem estar perto de você.

Cursinhos preparatórios sociais: Salvador – BA: Revisando Org (@revisando_org) , Pré-Vest na UFBA (@prevestnaufba), Instituto Cultural Steve Biko (@icstevebiko); Cachoeira-BA: Quilombo Educacional Onnim (@quilomboeduonnim); Rio de Janeiro – RJ:  Pré-Vest Mais Nós (@prevestmaisnos); Niterói – RJ: Pré Universitário Oficina do Saber / UFF (@preuniversitariooficinadosaber); Bauru – SP: Cursinho Principia (@cursinhoprincipia).

Minha trajetória universitária é parecida com essa, estudei o ensino fundamental II e Ensino Médio em escola pública, fiz o ENEM desde o 1° ano do Ensino Médio, essa foi uma estratégia que encontrei para me familiarizar com a prova. Já no 3º ano ingressei em um cursinho social da minha cidade que foi de grande importância para minha aprovação, assim como de outros amigos.

Além disso, existem uma série de hábitos que podem te ajudar nos estudos e é importante buscar estratégias que se adequam às suas necessidades e realidade. Segue algumas dicas, anota no caderninho para não esquecer e testa aquilo que está dentro do seu alcance.

Autocuidado: pode parecer clichê, mas uma das dicas mais importantes é cuidar de você mesmo. É importante dormir e se alimentar bem, também pode praticar algum exercício e não esqueça, se hidrate, beba água.

Organização e Planejamento: faça um planejamento mensal ou se preferir semanal, com os conteúdos que pretende estudar, é importante dividir o tempo para cada disciplina e dedicar um pouco mais para as disciplinas e assuntos que você tem mais dificuldade. Aproveita que está por aqui e dá uma olhadinha no texto Para ler com algo de escrever na mão: o poder da organização da I´sis Almeida, nesse texto você vai encontrar dicas  e práticas de organização que vão te ajudar a construir o seu planejamento de estudos.

Busque ajuda: sabe aquelas disciplinas que você realmente não consegue estudar sozinha?  Procure auxílio de algum familiar, amigo, professor ou alguém que você conheça para te ajudar.

Grupos de Estudos: quando se tem foco os grupos de estudos são muito produtivos, quando cada um(a) ensina um pouquinho do que se sabe ou daquela disciplina que mais domina, no final todo mundo aprende um pouquinho de cada coisa.

Pergunte: se durante a aula você tem alguma dúvida, essa é a hora. Não se envergonhe e faça todos os questionamentos que tiver.

Faça anotações: anote tudo que você considerar important, ainda que seja uma palavra, frase ou algo que você tenha interesse em pesquisar depois.

Leia: a leitura é uma das principais ferramentas de aprendizado, além de adquirir mais conhecimentos, a leitura contribui para a melhora do seu vocabulário e isso vai te ajudar muito, principalmente no momento de escrever a redação.

Se mantenha informado: fique antenado nas principais notícias do país e nos assuntos que estão em destaque, você pode usar as redes sociais ao seu favor, já que elas se tornaram além de um espaço para se distrair e socializar é também uma fonte de informações e assuntos relevantes. Reserve um tempinho no dia para acompanhar o que tem acontecido.

Escreva: uma dica clichê, mas muito importante para construir uma boa redação é treinar. Escolha temas relevantes ou até mesmo algo que você goste de estudar/pesquisar e escreva sobre ele, se sentir seguro mostre para alguém e ouça as opiniões. Acredite, o treinamento é a chave de sucesso para o aperfeiçoamento da escrita.

Busque veículos de comunicação que produzem conteúdo para o ENEM e vestibulares. O youtube é uma ferramenta super proveitosa.

Além de seguir dicas é importante criar sua própria rotina de estudos, adequar os hábitos que estão de acordo com a sua realidade e pensar suas próprias estratégias de planejamento. Nesta fase é comum as dúvidas e incertezas em relação a futuro ou ao decidir o que de fato se quer cursar na universidade, por isso vamos com a última dica e mais valiosa: conheça todas as possibilidades, não se limite ou pense que o que você fará é pouco, ou grande demais para o seu alcance. Lembre-se que essa escolha impactará muito na sua vida, mas que você tem toda uma trajetória para construí-la da maneira que deseja.

Pensar o ingresso é importante para a permanência de jovens negras e negros nas universidades – esse pode ser um tema para próximos artigos, temos bastante coisa para falar sobre – para isso podemos contar com as ações afirmativas e de auxílio estudantil. De acordo com a Profª Dra. Dyane Brito, ações afirmativas são “medidas especiais e temporárias que buscam compensar um passado discriminatório, ao passo em que objetivam acelerar o processo de igualdade com o alcance da igualdade substantiva por parte de grupos vulneráveis as minorias étnicas e raciais.”

Uma das principais ações afirmativas do Brasil é conhecida como Lei de Cotas, que garante a reserva de vagas para negros, indígenas, pessoas com deficiência e por renda familiar per capita. Para se candidatar por cotas é necessário demonstrar interesse no momento da escolha dos cursos no SISU, este é um direito garantido.

Camila Vieira

Camila Vieira é natural de Cachoeira-BA, cidade do Recôncavo Baiano. Formada em Serviço Social pela Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), Mila como é chamada pelas colegas de equipe, já foi coordenadora geral do Centro Acadêmico de Serviço Social Marielle Franco (CASSMAF) e atua como social media no PBF.
“Reconheço a importância de espaços como este, que pretendem dar voz a nós mulheres negras, tratando das nossas vivências e travando as nossas lutas, e mais importante: levando informações para outras mulheres.” (Camila)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *